11 5051-4084 | comercial@profashional.com

Matéria de capa

Matéria de capa - Revista Profashional

PAULO VILHENA

GOOD VIBE - Por Drica Rosa

A FAMA DE BAD BOY VAI POR ÁGUA ABAIXO QUANDO CONHECEMOS O EMBAIXADOR PARALÍMPICO PAULO VILHENA. BOM MOÇO, COM UM SORRISO MAROTO E JEITO DE MENINO, O ATOR MOSTRA QUE, ALÉM DO TALENTO, O QUE TEM DE SOBRA É UM CORAÇÃO SEDENTO POR AÇÕES DO BEM! ELE É PROFASHIONAL.

Yan Acioli - Revista Profashional

Paulo Vilhena - Revista Profashional

Paulo Vilhena - Revista Profashional

Ele chega de óculos escuros, jaqueta de couro e seu fiel companheiro Zacarias, o Zaca, um buldog francês. Em pouco tempo, o lugar é tomado por uma energia única e em segundos, Paulinho – não tem como chamá-lo de outra forma – faz vídeos para seu Instagram, tira selfies com a equipe e gargalha enquanto está sendo preparado pelo maquiador Mauro Marcos.

Naquele momento, entendo porque ele foi escolhido para ser um embaixador paralímpico. Mesmo com jeitão de rapaz rebelde, atrai olhares e transforma tudo em festa. E foi assim durante a sessão de fotos com ele no Centro de Treinamento Paralímpico em São Paulo. Clicado pelo queridinho das celebridades quando o assunto é street style, Leo Faria, Paulo opinou, posou e bateu um longo papo sobre essa sua nova função, que se tornou um presente para a vida.

VILHENA É DO BRASIL

Para a maioria da população, o ano de 2016 tem duas cores: verde e amarelo! Depois dos Jogos Olímpicos, o movimento Paralímpico chegou ao Rio de Janeiro conquistando os corações e as torcidas. A diversidade tornou-se somente um detalhe em meio às quadras, pistas, piscinas e, principalmente, aos pódios.

O ator foi chamado, junto com Cleo Pires, para exercer o papel de embaixador. Se buscarmos o significado da palavra no dicionário, nos deparamos com “a categoria mais importante ou o grau mais elevado da pessoa que representa o Estado”. No seu caso, seria representar uma classe de atletas e pessoas com deficiência, mostrando cada detalhe de um universo que muitos desconhecem.

Honrado com o convite, abraçou a causa com força: “O Movimento Paralímpico se tornou o meu maior presente, no sentido de tempo, pois eu passei a ler, pesquisar e me aprofundar. E no sentido do ganho, estou tendo a oportunidade de vivenciar histórias inspiradoras e motivadoras, que levarei comigo para sempre”, revela.

“SOU UM NOVO PAULO VILHENA E VOU USAR O FATO DE EU SER UMA FIGURA PÚBLICA PARA MANTER O INTERESSE DAS PESSOAS NO UNIVERSO PARALÍMPICO, MOSTRANDO QUE TUDO ISSO É UMA AÇÃO SOCIAL, NO SENTIDO LITERAL DA PALAVRA. E TUDO ISSO, BEM REPERCUTIDO, SALVA VIDAS!” PAULO VILHENA

Paulo Vilhena - Revista Profashional

Profashional em Movimento: O que mais te tocou quando veio o convite para ser um Embaixador Paralímpico?

Paulo Vilhena: Sempre tive uma paixão e admiração por esse pessoal, mas não sabia como me envolver. Quando veio o convite e comecei a vivenciar de perto, percebi que essas pessoas, com tanta dificuldades, servem de inspiração. Eles são exemplos diários. Percebi que meu papel era mostrar isso, me envolver sentimentalmente e viver cada conquista. Impossível não se emocionar com as histórias.

PEM: E o legado, fica para todos, os com deficiência e os sem deficiência, certo?

PV.: Com certeza! A gente se inspira, emociona e vai além: o povo brasileiro é muito sofrido e você vê que essa galera, por tudo o que passa, está aí com força, dedicação, raça e levando o nome do País para longe. Isso mostra que as barreiras existem para todos e são superáveis. Temos problemas, reclamamos, mas, com essas histórias, percebemos que precisamos sempre seguir em frente, se reinventar e seguir sorrindo, de forma leve. É mágico tudo isso. Aqui, tem um cara feliz de poder viver de perto e passar isso para frente!

PEM: Antes deste envolvimento com o CPB (Comitê Paralímpico Brasileiro), você já tinha tido algum contato próximo com alguém portador de necessidades especiais?

PV.: Sim, convivi muito com o irmão de um grande amigo, portador de Síndrome de Down. Cresci percebendo que a deficiência no outro acaba tornando-se algo natural, onde ele precisava de ajuda, alguém estava lá para ajudar de forma simples e tranquila. E é assimcom uma idosa atravessando a rua, com o meu cachorro na hora de passear. Temos de assimilar o que precisamos fazer por meio da nossa ação. Precisamos viver isso e não julgar se é algo diferente do comum. Minha mãe teve uma osteomielite que a impediu de caminhar com facilidade e precisou de ajuda e isso também me trouxe uma nova percepção das limitações, pois todos têm alguma, elas só são diferentes. PEM: E neste período, com a sua mãe com mobilidade reduzida, você se deparou com a falta de acessibilidade?

PV.: Sim. As pessoas querem ter acesso a um museu, cinema, farmácia, supermercado e não temos isso de forma sociocultural. As autoridades precisam olhar para isso de forma mais relevante. Sabemos que muito é feito, mas ainda estamos longe do ideal e isso é urgente, preciso e indispensável.

PEM: Falando sobre as competições. O que mais te chamou a atenção?

PV.: Com certeza, a natação; é inacreditável! Eu surfo e sempre usei a natação para praticar esse esporte e é inacreditável ver um cara que não tem um braço, tem parte do outro, não ter uma perna e ser um recordista em medalhas, é impressionante, porque eles não têm o que para nós seria o básico para nadar, braços e pernas e eles vão lá e nadam muito!

“VI NOS JOGOS UM RESGATE DE VALORES E ISSO FORMA UMA SOCIEDADE. VOCÊ TER CRIANÇAS VENDO ESSAS DIFERENÇAS É INCRÍVEL, POIS NINGUÉM ESTÁ LIVRE DE ESTAR ALI, POR CONTA DE UM ACIDENTE, DOENÇA ETC.” PAULO VILHENA

Paulo Vilhena - Revista Profashional

O PODER DA DIVERSIDADE

Diferenças estão diante de nós diariamente e isso foi algo que o ator fez questão de falar durante a entrevista.

“Nas competições, era nítido que muitos chegavam ao Parque Olímpico para ver pessoas com dificuldades se superando e, no decorrer das provas, deixavam de lado qualquer sentimento de ‘pena’ para torcer por atletas de alta performance. Além disso, estavam ali para acompanhar um dos maiores eventos esportivos do mundo”, conta o ator, que acompanhou de perto tudo nas duas semanas de prova.

Fazendo um comparativo com as Olimpíadas, Paulinho conta que chamou muito a sua atenção a quantidade de crianças e idosos que circulavam nas Paralimpíadas. “Vi nos Jogos um resgate de valores e isso forma uma sociedade. Você ter crianças vendo essas diferenças é incrível, pois ninguém está livre de estar ali, por conta de um acidente, doença etc. Por isso, acho que a campanha que fiz com a Cleo Pires foi tão importante, afinal é algo muito comum de acontecer, podia ser eu, podia ser você. Muitos atletas paralímpicos estão ali por uma consequência da vida, com um acidente, um assalto, por exemplo.”

Com a grande repercussão da campanha, parte positiva e parte negativa, Vilhena pensou em como se pronunciar:

“Fiquei muito tempo pensando em como me justificar, mas aí eu percebi que não tinha que justificar nada. Sou um ator e posso representar quem ou o que eu quiser. A campanha era incrível, a causa era nobre e o objetivo foi alcançado; conseguimos a atenção de todos e a venda dos ingressos teve um boom. Agora, isso faz parte da minha vida. Sou um novo Paulo Vilhena e vou usar o fato de eu ser uma figura pública para manter o interesse das pessoas no universo paralímpico, mostrando que tudo isso é uma ação social, no sentido literal da palavra. E tudo isso, bem repercutido, salva vidas!”, conta.

É isso aí, amigo. Você é do bem, se preocupa com o próximo e gosta de estar sempre gargalhando, e é por isso que o mundo continuará sorrindo para você!

“O MOVIMENTO PARALÍMPICO SE TORNOU O MEU MAIOR PRESENTE, NO SENTIDO DE TEMPO, POIS EU PASSEI A LER, PESQUISAR E ME APROFUNDAR. E NO SENTIDO DO GANHO, ESTOU TENDO A OPORTUNIDADE DE VIVENCIAR HISTÓRIAS INSPIRADORAS E MOTIVADORAS, QUE LEVAREI COMIGO PARA SEMPRE”. PAULO VILHENA

ELE POR ELA EM PELE DE LOBO - Por Sandra Teschner

Sandra Teschner e Paulo Vilhena - Revista Profashional

A primeira imagem que me vem à mente para descrever Paulinho Vilhena é a do bom moço. Bom filho, bom irmão, amigo dos bons! Daqueles que todos deveriam experimentar o prazer de ter na vida. Cuidadoso, sensível, amoroso, dedicado. Chora, se arrepia, sorri com a alma exposta, canta, dança, brinca de viver. Seria, com as pessoas certas ao seu lado, provavelmente, feliz em qualquer lugar, pois quer das horas a essência do belo, dos encontros de almasafins. Diverte-se com o que para muitos seria pouco, não quer o poder dominante, mas a indizível sensação de estar feliz em sintonia com seus amados e a natureza, de preferência aquela que contempla o mar, o Sol e uma Lua sorrateira.

Se ela chegar e partir sem avisar, então, ele se encanta! Prefere os acontecimentos fortuitos e vê simbolismo neles. Acredita na magia de cada instante e em suas mensagens subliminares. Prefere as entrelinhas ao óbvio contexto de frases previsíveis que a tantos agradam. Embaixador paralímpico, é exemplar em seu papel. Põe a mão na massa, costura as pontas, se entrega, carrega se necessário for. Jamais esquecerei o primeiro dia que passamos inteiro juntos e o carinho indizível que teve com a Dudinha Salles. Minha pequena protegida, é uma linda menina biamputada de quatro aninhos, que encontrou num dia escaldante no Rio de Janeiro, as costas largas e os braços cheios de amor de tio Paulinho, e ele não mediu esforços para realizar suas necessidades e, melhor ainda,entregou-se para ajudá-la em seu sonho de andar por aí com próteses decentes. E a história não teve fim naquele dia, adentrou os dias e continua se realizando. Fazer algo pelas razões certas o definem. Você deve estar pensando agora: não o imaginava assim.

Provavelmente porque você está no piloto automático das notícias sensacionalistas das chamadas celebridades, alheias aos contextos com qualquer profundidade. As interpretações midiáticas são um comércio lucrativo em que você compra sem saber e ainda paga o preço alto da ilusão, sejam elas positivas ou negativas. Esta desinformação o faz refém de vilões e mocinhos, como em toda ópera de sabão. Mas a vida, a vida é aquele lugar onde você tem a chance real de ouvir a respiração das pessoas, sentir seus cheiros, provar quiçá do seu suor.

Na magia do tempo real, o homem que estampa nossa capa inaugural da Profashional em Movimento, a qual não poderia ter sido mais bem escolhida, é um ser INCLUSO, DIVERSO, DO BEM. Quase um herói de pés descalços, despretensioso, atuando no imaginário de alguns, em roupagem de vilão.

*Publisher, editora-chefe, poeta, comunicadora paraolímpica e de diversidades e, prazerosamente, amiga de Paulinho.

FOTO FRED OTHERO / STYLING JULIA MORAES / BELEZA MAURO MARCOS (AMUSE-MENT) COM PRODUTOS URBAN DECAY (MAKEUP) E LOWELL (CABELOS) / TRATAMENTO PREMEDIA CROP / DIREÇÃO-GERAL SANDRA TESCHNER